Archive for the ‘Dodge’ Category

Rejuvenescendo a Víbora

dezembro 28, 2006
As primeiras fotos da linha 2008 do Viper SRT-10 chegaram à internet. O modelo, que será apresentado oficialmente mês que vem, no Salão de Detroit, com vendas iniciadas em meados de 2007, passou por uma pequena modificação estética, tanto na versão cupê, como na conversível.

Visualmente, a maior modificação situa-se no capô, que recebeu três grandes entradas de ar de cada lado, em substituição às 10 pequenas que há no modelo atual, além das rodas (18 pelogadas na frente, 19 atrás), que ganharam desenho mais agressivo. Faróis, pára-choques, lateral e traseira continuam as mesmas.
Aqui, vc só vai notar alguma mudança se olhar no capô: são três grandes entradas de cada lado
A maior mudança da linha 2008, porém, fica no cofre do motor. O propulsor atual, um V10 de 8.3 litros, foi substituido por um de mesmo número de cilindros, mas com um pequeno aumento de capacidade cúbica, chegando aos 8.4 litros. A potência chega aos 600 cavalos, em comparação aos 510 do modelo atual, enquanto o torque cresceu de 74 para 77,4kgfm, de acordo com o site da montadora. É interessante destacar que, apesar de não parecer, trata-se de um motor de nova-geração, desenvolvido pela McLaren Performance Tecnologies, em conjunto com a divisão esportiva da Dodge, a SRT (Sport and Race Technologies).
O “novo coração da criança”: um V10 de 8.4 litros, com 600 cavalos
A transmissão também foi substituída. No lugar da atual T56, a nova caixa (TR6060) se destaca pelo maior ganho de torque, mantendo a suavidade e os encaixes pefeitos da alavanca. São seis marchas a disposição do motorista. E para parar tudo isso, o modelo vem de fábrica com freios Brembo de 14 pelogadas, com discos perfurados, ABS e EBD.
Falando em segurança, o esportivo traz controle de tração e estabilidade (desligáveis, o que deixa o carro quase incontrolável), airbags de multiplo estágio com detector de presença e peso dos passageiros, pré-tensor dos cintos e controle automático de pressão dos pneus.
O interior, quase sem modificações, não esconde a origem Chrysler, mas entrega tudo o que espera-se num carro desse nível e preço
As cores disponíveis são vermelho, verde, azul, roxo e laranja. Já as listras, opcionais, podem ser vermelhas, azuis, brancas, prata, cinza ou pretas. O preço não deverá ser muito mais alto que o (já inacessível) atual: US$ 85.750, equivalente a uma Classe S550 2007 ou uma BMW M5. A Dodge não disponibiliza o modelo em terras brasileiras, mas ele pode facilmente ser trazido por importadoras independentes, pela bagatela de pouco mais de 600mil reais. Aconselhamos pegar o conversível, porque, pra quem tem esse dinheiro, o céu é o limite.
Texto: Adriano Vieira

O pequeno notável da Dodge

julho 4, 2006

Ainda que só agora esteja sendo vendido no resto do mundo, ao menos no seu país natal o Caliber é um sucesso. Em Maio foi o modelo mais vendido da Dodge, com mais de 12..500 unidades vendidas. De acordo com a Autoweek, os concessionários estão vendendo os carros na mesma velocidade que eles saem da linha de montaem de Belvidere, Illnois (EUA). O seu exito é tamanho que háfilas de espera que atingem 10 meses.
O lançamento do Caliber não poderia ser em melhor momento, levando-se em conta que finalmente os consumidores norte-americanos começam a ver com melhores olhos os automóveis compactos, em detrimentos dos antes populares SUVs. Lembrando, que embora classificado como compacto por lá, em nosso mercado se enquadraria como um carro médio. A alta dos combustíves é um dos grandes motivos atrás das cifras de vendas, já que é vendido com motores 1.8, 2.0 e 2.4, todos a gasolina e associados com uma transmissão CVT. O consumo anunciado é de 13,6km/l (32 milhas por galão), auxiliado pela gasolina de boa qualidade vendida disponível por lá.
Mesmo que não seja o automóvel mais eficiente neste aspecto, um dos maiores argumentos de venda do Caliber é que pode ser visto como um automóvel forte. Compacto, porém “másculo”. Tudo no modelo leva a isto, sejam as linhas robustas adotadas pela Dodge, seja pela tradição da empresa com SUVs e carros valentes.

O carro tem boa presença e é cogitado para ser produzido na fábrica de Juiz de Fora, MG, onde se produzia o Classe A. Além de concorrer com Astra, Golf, Focus e Stilo, só para citar alguns, estão nos planos derivados do naipe de um utilitário esporte e talvez um monovolume.

Hornet

junho 11, 2006

A Chrysler não parece ter muita pressa para escolher um sócio para produzir o novo subcompacto que virá para aumentar a sua linha. De acordo com uma nota da Reuters, o diretor executivo do grupo norte-americando, Eric Ridenour, declarou que a companha está com uma listá de vários candidatos “semifinalistas” a produzir este novo modelo. Está em busca de um sócio para compartilhar os custos de desenho e desenvolvimento de um novo automovel do segumento B que seria vendido globalmente. Existem rumores acerca da Volkswagen, mas as declarações da empresa Alemã fazem crer que não há nada finalizado.

O novo compacto terá desenhos próximos ao conceito Dodge Hornet, apresentado no Salão de Genebra deste ano. Espera-se que as vendas de subcompactos dobrem nos EUA em 2007, e este novo pequeno seria um trunfo nas mãos da Chrysler. Isto sem contar nos mercados da América Latina e Ásia.

O Hornet usa o motor 1.6 16v fábricado pela Tritec brasileira, que é montado também em modelos da inglesa Mini Rover e da chinesa Chery.

Bem, o porquê da notícia? Além do motor nacional, há uma planta da DaimlerChrysler subutilizada em Juiz de Fora, com capacidade de produção de 70 mil unidades/ano. E, se a parceiria com a VW vingar, o projeto pode ser desenvolvido por aqui, pais o know-how da VW em veículos compactos e vendas estão concentrados no nosso mercado.

Outro ponto importante é o sucesso que esses compactos com aparência robusta e fora de estrada fazem sucesso por aqui, vide as excelentes vendas de pick-ups, suvs e pequenos compactos com tal apelo no nosso mercado.

A produção do modelo aqui seria estratégica, porém ainda não é certa e muitos são os concorrentes potenciais. A decisão só sairá no final do ano, mas ficamos na torcida.