Archive for the ‘Super-Esportivos’ Category

Qual o objetivo dos carros conceito? – Golf GTI W12

maio 20, 2007

Às vezes fico me perguntando porquê, afinal, as marcas investem tanto em carros conceito. Elas se justificam, dizem que é para avaliar a aceitação do público, mostrar tendências. Às vezes é difícil acreditar nisso.

A VW acabou de mostrar o Golf GTI W12, um conceito equipado com um motor de 12 cilindros e 650cv. É óbvio que eles fizeram esse carro pra se divertirem nas pistas e para ficarem babando quando chegarem ao prédio da VW para trabalhar.

Anúncios

Meu novo wallpaper

abril 12, 2007

RCT3

Okay, existem centenas de modelos espetaculares pelo mundo, tenho de concordar. Mas alguns, em especial, tocam o coração deste editor. Poucos, na verdade. Um deles é o Cayman. Desde que chegou, foram horas babando e claro, meu computador logo ganhou um Cayman S amarelo de fundo de tela. A expectativa para sua chegada ao Brasil também foi grande.

Se não bastasse o design espetacular, a tradição da marca, o modelo consegue superar o 911 pelo fato de ter o motor em posição central. Não há milagres. A Porsche é a única no mundo que consegue fazer um esportivos fabulosos com motor traseiro, mas a posição ideal é sempre a central. E, logo que chegou o modelo mesmo não sendo tão potente como o irmão maior marcou tempos maravilhosos em circuitos.

E é claro que estava preparando algo maior: eis o Cayman de 700cv, nada mais nada menos que 405cv mais potente. Ainda usam componentes mais leves e enrijeceram a carroceria.

A propósito, preciso de fotos em maior resolução do modelo para colocá-lo como wallpaper. Doações para o fundo pró RCT3 também são aceitas (afinal, para quê sonhar com o Cayman S se ele foi aperfeiçoado?).

Rejuvenescendo a Víbora

dezembro 28, 2006
As primeiras fotos da linha 2008 do Viper SRT-10 chegaram à internet. O modelo, que será apresentado oficialmente mês que vem, no Salão de Detroit, com vendas iniciadas em meados de 2007, passou por uma pequena modificação estética, tanto na versão cupê, como na conversível.

Visualmente, a maior modificação situa-se no capô, que recebeu três grandes entradas de ar de cada lado, em substituição às 10 pequenas que há no modelo atual, além das rodas (18 pelogadas na frente, 19 atrás), que ganharam desenho mais agressivo. Faróis, pára-choques, lateral e traseira continuam as mesmas.
Aqui, vc só vai notar alguma mudança se olhar no capô: são três grandes entradas de cada lado
A maior mudança da linha 2008, porém, fica no cofre do motor. O propulsor atual, um V10 de 8.3 litros, foi substituido por um de mesmo número de cilindros, mas com um pequeno aumento de capacidade cúbica, chegando aos 8.4 litros. A potência chega aos 600 cavalos, em comparação aos 510 do modelo atual, enquanto o torque cresceu de 74 para 77,4kgfm, de acordo com o site da montadora. É interessante destacar que, apesar de não parecer, trata-se de um motor de nova-geração, desenvolvido pela McLaren Performance Tecnologies, em conjunto com a divisão esportiva da Dodge, a SRT (Sport and Race Technologies).
O “novo coração da criança”: um V10 de 8.4 litros, com 600 cavalos
A transmissão também foi substituída. No lugar da atual T56, a nova caixa (TR6060) se destaca pelo maior ganho de torque, mantendo a suavidade e os encaixes pefeitos da alavanca. São seis marchas a disposição do motorista. E para parar tudo isso, o modelo vem de fábrica com freios Brembo de 14 pelogadas, com discos perfurados, ABS e EBD.
Falando em segurança, o esportivo traz controle de tração e estabilidade (desligáveis, o que deixa o carro quase incontrolável), airbags de multiplo estágio com detector de presença e peso dos passageiros, pré-tensor dos cintos e controle automático de pressão dos pneus.
O interior, quase sem modificações, não esconde a origem Chrysler, mas entrega tudo o que espera-se num carro desse nível e preço
As cores disponíveis são vermelho, verde, azul, roxo e laranja. Já as listras, opcionais, podem ser vermelhas, azuis, brancas, prata, cinza ou pretas. O preço não deverá ser muito mais alto que o (já inacessível) atual: US$ 85.750, equivalente a uma Classe S550 2007 ou uma BMW M5. A Dodge não disponibiliza o modelo em terras brasileiras, mas ele pode facilmente ser trazido por importadoras independentes, pela bagatela de pouco mais de 600mil reais. Aconselhamos pegar o conversível, porque, pra quem tem esse dinheiro, o céu é o limite.
Texto: Adriano Vieira

Pornografia sobre rodas – Mustang Giugiaro (Conceito)

novembro 28, 2006

Inesperadamente a Ford entregou os detalhes do novo Mustang na reinterpretação de Fabrizio Giugiaro. O “making of” dessas fotos do modelo já haviam circulado pela internet, porém não davam a exata dimensão do evento: preparem-se para um carro altamente obsceno. E tirem as crianças da sala antes de abrir (e salvar, claro) as próximas fotos.

O conceito tomou as melhores linhas do Mustang atual e foi um passo além, sem perder o espírito original. Cada vez mais presente. Há uma peça de vidro somente que faz de para-brisas, teto e vidro traseiro. As portas abrem-se verticalmente, somente com o apertar de um botão. Mais americano, impossível.

Debaixo do capô encontra-se um V8 de 4,6l construído em alumínio, com dois supercharghers e que produzem 500 HP de potencia. O radiador é de alumínio, também, e, segundo a Ford, permite que a potência seja elevada em até 700cv, sem problemas para a refrigeração do modelo. Barras estabilizadoras, molas e amortecedores foram retirados do Mustang FR500, preparados pela Ford Racing, com algumas alterações. As rodas são de 20 polegadas e estão equipadas com pneus 275/40 na frente e 315/35 na traseira.

Este conceito mostra as linhas que serão adotadas no próximo Mustang. Não esperamos nem as portas verticais, quanto menos o acabamento primoroso do conceito. Conquanto a essência seja mantida e aprimorada, como as fotos revelam, não precisamos de mais.

Texto: Guilherme Lopes
Fotos: Ford (Divulgação)




Esportivo Verde – Tesla Roadster

julho 21, 2006
A Tesla finalmente desvendou o Roadster, um veículo muito diferente dos outros que têm sido lançados atualmente, principalmente pelo fato de ser 100% elétrico, porém com aparência, comportamento e qualidades de um autêntico esportivo. A principal diferença do Roadster em relação aos seus rivais a gasolina encontramos debaixo do capô, onde está o seu motor de indução AC. Através deste, alcança uma velocidade máxima de 209km/h e pode chegar aos 100km/h em cerca de quatro segundos. Tudo isto é obtido de maneira silenciosa. O máximo que se houve é o ruido do vento.

O Roadster têm um centro de gravidade muito baixo, e é suave em todos os aspectos possíveis. Se não bastasse ser um belo esportivo, é também um automóvel “verde”. Não emite poluição. Também, nem haveria como emitir, pois nem tubo de escape há no carro.

Segundo a Tesla, o veículo foi criado para desmistificar a teoria de que os carros elétricos servem apenas para serem dirigidos em baixas velocidades. O carro conta com as vantagens de ser elétrico, como o fato de o motorista não ter de trocar o óleo do motor, sendo necessário apenas revisão de freios e pneus para os primeiros 259 mil km rodados. A bateria do motor dura 450 km rodados e demora cerca de três horas e meia para ser carregada.






Clique nas imagens para ampliar

Origem do nome – Trata-se de uma homenagem a Nikola Tesla (1856-1943), que descobriu o campo magnético giratório. Nosso sistema de energia elétrica, baseado em corrente alternada, também foi iniciativa sua. Tesla elaborou mais de 700 projetos, incluindo desenvolvimentos básicos para o motor eletromagnético, o motor a turbina, a transmissão sem fio, dispositivos de controle remoto e a primeira usina hidrelétrica, nas Cataratas do Niágara.

Tesla também virou nome de banda de rock, sendo sucesso nos anos 80 nos EUA. A idéia foi do vocalista e fundador Jeff Keith. Uma das músicas de maior sucesso é “Love Song”. Para mais informações: Biografia / Whiplash.net

Fonte: Invertia e Autoblog Green
Texto: Guilherme Lopes
Colaboração: Rafael Lima

Fisker Tramonto

julho 12, 2006
Desenvolvido sobre a excelente plataforma do Mercedes SL, o fabricante norte-americano Fisker colocou a venda um modelo muito peculiar.
Trata-se de um conversível, com motor desenvolvido pela AMG e com design de muita personalidade. O motor é um 5.5l V8 com 617cv de potência. Pode ser encontrado também na versão 5.4l, com duas potências distintas para este motor: 493cv e 610cv. Mantém o sistema ABC da Mercedes (Active Body Control).
O início da produção foi em 2005 e as vendas são muito pequenas. Porém já têm seus adeptos, inclusive endinheirados fora dos EUA.
A Fisker é uma empresa nova, formada por dois antigos executivos da Ford Motor, Henrik Fisker e Bernard Koehler. O lançamento oficial da empresa foi no Salão do Automóvel de Frankfurt, em que mostraram o Tramonto (das fotos), baseado no SL e também o Latigo CS, baseado sobre o BMW Série 6.



Clique nas imagens para ampliar

Veyron-Killer da Porsche

julho 1, 2006

O Bugatti Veyron é um dos poucos carros que servem como medida para todos os superesportivos. São raros automóveis tão rápidos quanto, como o Ultima GTR, e entre os que se atrevem a a chegar perto nenhum é tão opulento e têm a mesma aura que envolve a criação mais ousada da Volkswagen (detentora da Bugatti). Porém de acordo com a Autocar, a Porsche está pensando em acabar com esta situação, destronando o Veyron com uma versão de rua do esportivo que está preparando para a LeMans. O novo GT1 terá 950cv e alcançará uma velocidade máxima de 409km/h, o suficiente para ultrapassar o Veyron e seus 400km/h, limitados eletrônicamente.

O GT1 poderia ser visto como o sucessor do recentemente fora de linha Carrera GT, e utilizará uma versão modificada de seus chasis de fibra de carbono, ainda que coberto por uma carroceria de teto fixo e estilo próprio. A potência necessaria para vencer o todo-poderoso Veyron seria proporcionada pelo motor V10 do Carrera GT (com modificações) ou por uma versão turbo de maior tamanho do V8 montado no Cayenne.

A PistonHeads informa de que a Bugatti já está trabalhando em um Veyron ainda mais rápido, assim a Porsche terá que ter pressa se quiser chegar a tempo para arrebatar a coroa.