Archive for março \12\UTC 2007

Renovação de votos – Novo AutoDiário

março 12, 2007
Há muitos elementos que fazem parte da nossa vida, mas, há dois que a tornam maravilhosa: nossas paixões e nossos sonhos.

E foi combinando estes dois ingredientes que o AutoDiário nasceu. Vários colaboradores unidos por um elo comum: paixão por automóveis e pela boa informação. Essa paixão que faz com que o site ganhe um significado que vai muito além dos automóveis, que são máquinas utilitárias quando não idolatradas por seus donos e fãs.

É com muito orgulho que o AutoDiário, hoje, dá mais um grande passo. Após mais de um ano de estrada, conhecendo e juntando algumas dezenas de milhares de fanáticos, iniciamos uma nova fase: o Novo AutoDiário. A intenção é dar mais agilidade a criação e publicação de noticias, além de organizar melhor o conteúdo e facilitar o carregamento das páginas. Ele foi todo desenvolvido para que continuemos a executar nossa missão, só que de uma maneira muito melhor.

Contamos, para isso, com a ajuda de grandes colaboradores e amigos, aos quais o agradecimento é eterno. Esperamos que você, leitor, nos ajude na nossa caminhada, com críticas e sugestões, quando necessário. Não deixe de elogiar também. Com as críticas, melhoramos. Com os elogios, nos empenhamos ainda mais.

Queremos aqui construir não só um site, mas uma grande comunidade que valoriza a troca de conhecimento e experiências, construído por quem vive sempre sem ar por conta dessa grande paixão.

Sejam todos bem vindos ao novo site.

www.autodiario.com.br

Um grande abraço,

Guilherme Lopes e toda a equipe do AutoDiário.

Anúncios

Salão de Genebra – Os hatches

março 12, 2007
E quem pensa que apenas alguns lançamentos de luxo e uns poucos conceitos fizeram o Salão de Genebra “esquentar” o inverno europeu engana-se. Muitos hatches foram retocados, ganharam nova geração, ganharam versões esportivas ou motores mais potentes e/ou econômicos. Confira conosco os destaques na categoria dos hatches, dos compactos aos médios.

Peugeot apresenta a versão esportiva do 207

Peugeot – Com a concorrência cada vez maior na categoria, como o Grande Punto Abarth (mostrado aqui há poucos dias) e o Corsa OPC, a Peugeot lança o 207 RC. Com motor 1.6 de 175cv (curiosamente menos potente que o antigo 206 RC, com 180cv num 2.0), injeção direta e câmbio de cinco marchas, o carrinho não faz feio perante os concorrentes. Há ainda suspensão mais firme, saída dupla de escape, rodas de 17”, bancos de competição e aerofólio.

Opel também mostra a vesão esportiva do seu hatch

Opel – Seguindo o conceito do 207 RC, a Opel também aproveitou a mostra suíça pra apresentar seu rocket-pocket. O Corsa OPC (VXR nos países da Bretanha) apresenta-se com um 1.6 turboalimentado de 192cv, perdendo na categoria apenas para o Clio, de 197. Além do motor, detalhes característicos da OPC também foram inclusos, como chassis revisto, suspensão exclusiva, rodas de até 18”, bancos Recaro, entre outros. A marca declara velocidade máxima de 225km/h, e 0-100 em pouco mais de 7 segundos.

Mazda 2 divide componentes com Ford Fiesta

Mazda – Ainda no segmento de hatches, é a vez de a montadora japonesa dar as cartas no quesito “novidade”. Isso por que o lançamento do novo Mazda2 foi o único do Salão na categoria, ante as versões esportivas dos concorrentes. E o 2 foi uma agradável surpresa de público e crítica. Dividindo componentes com o Fiesta, já que a Mazda faz parte do Grupo Ford, o 2 tem um design com linhas limpas e modernas que, nas fotos, deixa-o parecendo menor do que realmente é. Contará com dois motores 1.3 – um com 8 válvulas e 75 cavalos e outro com 16 válvulas e 84 cavalos – além de um motor 1.5 de 104 cavalos, ganhando uma versão 1.4 diesel no futuro. Pra completar, o pacote esportivo Sports Appearance Package(Pacote de Aparência Esporte), que é algo muito típico no Brasil: esportividade, só na aparência.

Fabia remete à irmã Roomster

Škoda – Quem conhece a marca sabe que, nem seria necessário frisar, a montadora se inspirou no belo Roomster para criar o novo Fábia. O hatch ficou com a frente que lembra muito a multivan tcheca, sucesso de público e crítica no velho continente. As linhas limpas e “alegres” dão um ar jovial ao modelo que começa a ser vendido em maio. A gama de motores também vem da irmã maior, sendo quatro a gasolina com injeção direta (1.2 8V 60cv, 1.2 16V 69cv, 1.4 16V 86cv e 1.6 16V 105cv) e três a diesel (1.4 6V TDI 69cv, 1.4 6V TDI 80cv e 1.9 TDI 105cv). Esta versão conta com um porta-malas de 300l, mas quem tem família maior pode optar pela versão três volumes (Sedan) ou pela perua (Combi), que devem ser reestilizados ainda este ano.

i30 divide plataforma com Kia Cee’d

Hyundai – Feito sobre a mesma plataforma do Kia Cee’d, o i30 é um modelo com linhas ousadas e modernas, sem aquele estilo de carro oriental (aliás, perdido há um bom tempo por carros japoneses e sul-coreanos). Muitos fizeram questão de elogiar: “os coreanos estão realmente fazendo carros bonitos”. Elogio ou crítica, não importa. É impossível não dar crédito à Hyundai pela ousadia, algo que o consumidor europeu admira (vide o sucesso de Renault Mégane hatch e Peugeot 307, ambos os carros polêmicos). O modelo segue praticamente todo o desenho do conceito Arnejs, mostrado no ano passado. Seu porta-malas comporta 340l (o mesmo que o Honda Civic sedan brasileiro) e a gama de motores é ampla: três motores a gasolina (1.4 FSI 109cv, 1.6 FSI 122cv e 2.0 FSI 143cv, todos com admissão e distribuição variável) e três a diesel (1.6 90cv, 1.6 115cv e 2.0 140cv), todos com 16 válvulas.

Mini ganha versão esporte após face-lift

Os outros – Longe de desmerecer os modelos desta parte do texto, porém estes têm um menor destaque diante dos modelos já apresentados aqui no AutoDiário. O primero deles é o Mini. Mostrado aqui em Agosto do ano passado, o modelo é lançado oficialmente no mercado europeu. Com leves retoques em faróis, lanternas, pára-choques, capô, grade e quadro de instrumentos, o Mini mantém a receita básica dos anos 60. E além das quatro conhecidas versões One (1.4 95cv), Cooper (1.6 120cv), Cooper S (1.6 Turbo 174cv) e Cooper D (1.6 Diesel 109cv), o modelo terá novamente a versão esportiva denominada “Cooper S John Cooper Works”, com motor 1.6 TFSI de 192 cavalos.

Série 1 ganha em esportividade na versão 3 portas

Além do Mini, o Grupo BMW também concedeu ao modelo de entrada da marca bávara, o Série 1, alguns leves retoques. O modelo chega ao mercado europeu em maio com novos faróis, lanternas, pára-choques, retoques no interior e com uma novidade que ressalta sua esportividade: a tão desejada versão de três portas, que ficou na antiga Série 3 Compact. Como mostramos no dia 17 de Janeiro , boas novidades ficam por conta dos seis air-bags, dos pneus de sistema RunFlat (que podem rodar furados por um certo tempo e distância), entre outros itens. A previsão é que chegue ao Brasil ainda este ano.

Texto: Matheus Q. Pera e Adriano Vieira

Salão de Genebra – Os conceitos

março 8, 2007
O Salão de Genebra, além de ser um excelente lugar para as montadoras lançarem seus novos modelos, já que a Suiça é um território neutro dentro da europa, também é onde as empresas podem mostrar seus conceitos. Sim, construções que podem se tornar modelo de produção ou simplesmente inspirar os próximos lançamentos de uma marca. No meio desse mar de novidades, o AutoDiário separou para você os destaques, sem abrir mão dos menos requisitados.

Não há como dizer qual modelo será mais importante no futuro ou qual deixará o mercado mais badalado. O fato é que há empresas e empresas em qualquer meio e nesse caso não seria diferente. Alguns modelos como Grande Punto Abarth S2000, uma versão para corridas do Punto esportivo, ou o Dodge Demon Concept, uma espécie de Mini-Viper, que seria a resposta dada ao sucesso dos modelos Pontiac Solstice e Mazda MX-5 Miata no mercado norte-americano, na categoria de conversíveis 2 lugares. Outros modelos que não devem chegar a ser produzidos como o LUV (Luxury Utility Concept), do estúdio EDAG, que é basicamente uma Mercedes ML versão picape. Outro que não deve deixar de ser conceito é o Citroën Cruise Crosser, uma versão picape do utilitário esportivo C-Crosser, mas com seis (!) rodas.

Há ainda alterações de modelos já existentes como a perua 9-5 da Saab em versão BioPower (movida a Etanol), e desenvolvida pelo estúdio suíço Rinspeed. Seguem ainda neste grupo o Skoda Fábia S2000 (uma versão esportiva do modelo), Mitsubishi Outlander V6 Concept, as novas peruas francesas Renault Clio Grand Tour e Peugeot 207 SW, esta apresentada no conceito Outdoor, o utilitário sueco XC60 da Volvo, entre outros. E, como já citado, há os modelos que inspirarão as montadoras no futuro, dando ênfase também a novos modelos, que podem chegar ainda este ano ao mercado (europeu, principalmente).

Mazda Hazake Concept

Mazda Hazake Concept – Depois do Nagare e do Ryug, é a vez do Hazake ser mostrado pela montadora japonesa. Cada um teve um significado importante para os executivos, pois é a partir dos três conceitos é que serão desenhados os novos modelos da empresa. A definição para o Hazake fica entre um cupê de quatro lugares e um compacto crossover. Ele ainda tem grande versatilidade, como a mudança de posição dos bancos, para maior aproveitamento do espaço para cargas. Sem falar na ousadia que tiveram os engenheiros do Mazda’s European Design Center em Frankfurt, Alemanha.

Toyota Hybrid X

Toyota Hybrid X – Os novos carros híbridos da Toyota deverão seguir sua tecnologia, pois seu estilo deve ser o adotado no novo Prius, que deve chegar entre 2008 e 2009. O modelo não foi o pioneiro em adotar motores elétricos, mas é o de maior sucesso nos EUA. O conceito mede 4,5m de comprimento e 1,44m de altura, nada diferente do atual Prius. A distância entre eixos cresceu em 10 cm e passou a 2,8m. No conceito as portas traseiras se abrem no estilo “suicida”, da maneira contrária às da frente. Uma novidade interessante é a economia, são 33,3 km com 1 litro de gasolina. E o objetivo da Toyota é ainda maior: ter todos os modelos de sua gama com versões híbridas até 2012. Será que sobra algum espaço para o mercado brasileiro?

Honda Small Hybrid Sports Concept
Honda Small Hybrid Sports Concept – Mais uma montadora japonesa com um conceito inovador, a Honda, assim como a Mazda, também traz um conceito desenhado na Alemanha, em seu estúdio em Offenbäch. Com 4 metros de comprimento, ele é pouco menor que o esportivo S2000, mas traz a nova inspiração dos modelos híbridos da montadora, que estreou com o Insight nos EUA, em 1999, seus modelos elétricos. Uma solução interessante é o vidro que parte do pára-brisa até a traseira do modelo. O sistema de propulsão é o Honda IMA, já utilizado no Civic Hybrid, e conta com um motor elétrico e outro a gasolina de quatro cilindros. A caixa de câmbio é a mesma que utiliza o Fit, de sistema CVT.

Texto: Matheus Q. Pera

Salão de Genebra – Parte 1

março 7, 2007
Jaguar XJ
O topo-de-luxo da marca britânica aparece no Salão com pequenas modificações. A cargo estético, a tentativa foi de criar esportividade. Novos pára-choques bojudos (até demais), com entradas de ar volumosas, novo defletor traseiro, novas rodas de 19 polegadas e repetidores laterais nos espelhos mostram isso. Complementa o pacote ainda bancos mais macios e anatômicos, segundo a marca. Motorizações continuam intocadas.

Fiat Bravo
Apesar de conhecido há mais de três meses, o novo hatch médio da Fiat só se mostra ao vivo em Genebra. Com linhas arredondas e um porte impecável para sua categoria, o Bravo ainda apresenta o novo logo da Fiat, com fundo vermelho. Estréia ainda a família de motores T-Jet, com um 1.4 capaz de gerar 120 e 150cv, dependendo da versão. Faróis de xenônio, rodas de 18 polegadas e navegador interativo complementam o atraente conjunto. As vendas se iniciam nos próximos meses.

Maserati Grand Turismo
Depois de uma fase de vacas-magras em novos modelos, a Maserati apresenta o GrandTurismo. O modelo apresenta-se como um cupê grande de 4 portas e com destaque para o conforto. Ou seja, é o irmão maior do Coupe, e não seu substituto. Feito para rivalizar com modelos como Série 6 e Audi A5, o carro traz design característico da marca, apesar dos faróis e lanternas lembrarem modelos Dodge/Ford. O motor é o velho conhecido 4.2 V8, de 405cv. O câmbio é automatizado.

Texto: Adriano Vieira

O pequeno grande Renault

março 5, 2007
Não é segredo pra ninguém aqui na equipe que o Twingo é a paixão declarada de Adriano e Matheus. Os dois babam quando vêem aquela azeitona minúscula andando pelo trânsito, e ficam horas trocando fotos e informações sobre carro. Com a missão de escrever sobre a nova geração do compacto, que será apresentado no Salão de Genebra e vendido até o meio do ano, sabíamos que os dois iam disputar a tapas e murros quem iria escrever sobre o novo compacto francês. E como o AutoDiário não queria derramamento de sangue (nem perder dois dos melhores escritores), vamos fazer algo inédito: dois textos. Cada um deu sua opinião e detalhou o que achava mais importante. Agora cabe a você, leitor, escolher um ou, se a paixão for como a de nossos dois pirados aqui, ler ambos os textos. Boa leitura!
.
O NOVO TWINGO – por Matheus Q. Pera
.
A Renault mostra a nova cara do Twingo. Depois de quase uma década e meia sem alterações, o carro de entrada da empresa na Europa recebe uma merecida nova geração. Com um design que lembra os novos Renaults, em especial as linhas Mégane e Clio, o compacto ficou mais charmoso e bonito. As novas linhas deixaram o modelo mais esportivo, pronto pra encarar a concorrência de Citroën C1, Toyota Aygo e Volkswagen Fox, só para citar alguns dos seus rivais diretos.

Agora medindo 3,60 metros de comprimento, 1,64 de largura e 1,47 de altura, o Twingo, ao contrário das novas gerações de outros modelos europeus, manteve a altura, crescendo ligeiramente em largura e comprimento. Uma versão GT deve chegar ao mercado, com forte inspiração no conceito que deu origem ao compacto renovado.

Já no interior, uma marca: como no antigo modelo, o velocímetro digital fica na parte central do painel. Atrás do volante, somente o conta-giros. Atrás deste, um porta-objetos sem tampa completa o desenho. O Twingo também tem outra novidade: na antiga geração, ficou por conta do excelente espaço interno, que antes tinha o banco corrediço, agora tem 4 assentos individuais. Além de tudo, o Twingo é uma aula de equipamentos pra muito carro médio nacional: seis air-bags, bancos de couro, ar-condicionado, cruise-control, CD Player, Bluetooth, entrada para iPod, entre outros.

.

Os motores devem ter pequenas alterações. Alguns devem ser os mesmos utilizados pelo Clio III. O melhor de tudo é que o novo 1.2, provavelmente o que equipará a versão esportiva, terá turbo e entregará 100cv. Outros motores de menor potência devem continuar na gama do “carrinho” da Renault.

Vale ressaltar também alguns detalhes que a nova geração tem em comum com o antigo modelo e com outros veículos da linha Renault. Por fora, apenas a maçaneta é a mesma do modelo “atual”. Por dentro, o mesmo CD Player da linha Clio vendida no Brasil. Detalhes como botões dos vidros, manopla do câmbo e maçanetas internas das portas vieram do Mégane, assim como o ar-condicionado digital e o cinzeiro móvel.

Particularmente, acredito que o desenho está em perfeita harmonia. Por fora, linhas compactas e belas, que estão em sincronia com a identidade da Renault. Por dentro, ousadia e detalhes que fazem a diferença. A concorrência de lá deve começar a pensar melhor, principalmente a PSA no painel de seus C1 e 107. Enquanto isso o povo agradece à montadora francesa pela demorada mas excelente novidade! Valeu a pena esperar.
.

.
O NOVO TWINGO – por Adriano Vieira
.
Que o Twingo é um dos maiores sucessos da Renault na Europa, isso ninguém duvida. Mesmo após 13 anos com seu design e carroceria praticamente inalterados, o pequeno Renault consegue se manter entre os 5 carros mais vendidos na França. Prova do carinho e paixão dos europeus por um dos compactos mais bem-projetados até hoje.
.
Agora a Renault presenteia a Europa com a nova geração do carrinho. Com uma criatividde abundante, os designers conseguiram fazer o modelo se integrar aos novos padrões de design da Renault, tanto no exterior como no interior, sem perder as características originais que marcaram sua quase década e meia na atual geração.
.
Por fora, notamos detalhes clássicos como a ausência de grade no capô, as maçanetas integradas à carroceria, lanternas traseiras pequenas, vidro traseiro com linhas arredondadas e a sempre única opção de 3 portas. Por dentro, o painel lembra muito o do irmão maior Modus, sem se esquecer dos detalhes característicos como o painel de instrumentos central, o sistema de som inclinado, o banco traseiro com sistema corrediço e os tecidos alegres e descontraídos. Novidade no banco traseiro é o assento também bi-partido, possibilitando a dobra completa de apenas um dos bancos, impossível no modelo atual, que só tinha o encosto dividido.
.
O carro ainda traz detalhes inéditos ou muito raros na categoria, como controle de estabilidade, ar-condicionado digital, sistema de som com bluetooth e entrada para iPod, câmbio de 6 marchas, controlador e limitador de velocidade, dentre alguns requintes que já equipavam a versão antiga, como bancos em couro bege (versão Initiale), direção elétrica e apoios de cabeça ativos. Seis airbags complementam a segurança, em conjunto com o ABS de fábrica e o comprimento maior (3,60 x 3,43 metros da antiga geração), o que, de acordo com a Renault, seria essencial para conseguir atingir as 5 estrelas no crash-test da EuroNCAP, num futuro próximo.
.
Além das versões comuns, a Renault ainda mostrou o Twingo GT (carro azul), com detalhes estéticos esportivos que devem agradar aos jovens. As motorizações deverão ser as atuais 1.2, com 8 e 16 válvulas, além de um 1.2 turbinado que atringirá 100 cavalos. Como ineditismo para o Twingo, a Renault deverá apresentar futuramente uma versão a diesel, e outra com volante a direita, para a Grã-Bretanha, duas coisas que este best-seller nunca teve na sua longa – e de sucesso – trajetória em seus anos de vida.

Textos: Adriano Vieira/ Matheus Q. Pera

Fotos: divulgação Renault

Segredo: Toyota Land Cruiser 2009

março 5, 2007

Já está em fase final de desenvolvimento a nova geração do utilitário mais antigo e tradicional da Toyota, o Land Cruiser, nome original do nosso conhecido Bandeirante, um modelo cuja história se confunde com a da própria marca, já que sua primeira geração foi lançada em 1954, com um motor de modestos 85 hp.

Nas fotos, ainda com algum disfarce, é possível perceber que montadora recorreu a um desenho mais imponente, com presença de angulos menos suaves e grade pronunciada, uma tendencia que vai e vem nesse segmento, e que pode ser identificada em diversos modelos, entre eles os Jeep Commander e Patriot e os novos Titan e Pathfinder da Nissan.


Até o momento, o que se sabe é que este novo Land Cruiser contará com um V8 Common Rail Turbodiesel de 4.5 litros, que entrega uma potencia de 206 hp a 3400 rpm, mas que impressiona pelo torque de 43,8 kgfm a apenas 1200 rpm, números importantes e coerentes com o que se espera de um utilitário.

Esta nova geração tem lançamento mundial previsto para meados de 2008, e ainda não há informações sobre versões, acabamentos e demais motorizações, ou se será importada e comercializada no mercado nacional.

Texto: Eduardo S.
Fotos: Hans G. Lehmann
Informações: Auto

350Z – Mais uma vez, mais potência

março 3, 2007

Com pequenas mudanças estéticas e outras mais importantes na mecânica, o Nissan 350Z será apresentado no Salão do Automóvel de Genebra. Sua comercialização no velho continente iniciará logo após no evento, e aqui esperamos que a Nissan leve cerca de um semestre para apresentar a nova versão do esportivo, que é encontrado nas concessionárias de São Paulo com preços entre 200 e 240 mil reais.

Dentre as principais novidades temos que destacar o novo motor da familia VQ 3R HR, que alcança uma potência de 313CV. Esta é a terceira vez que a montadora aumenta a potência do modelo, que saltou na primeira mudança para 280 CV, logo depois para 300 e agora são estes 313 CV.

A principal mudança no exterior é um capô mais ressaltado. Há tres novas cores e os pneus atuais serão substituidos por outro, que proporcionam melhor desempenho.

Fiat Palio GIV x GIII – O comparativo

março 2, 2007
Há dias iniciou-se o debate ente os leitores se a nova geração do Fiat Palio realmente evoluiu em design, que foi o principal aspecto trabalhado pela Fiat nesta “nova geração”. Para continuar o entrave, decidimos colocar as novas fotos – agora oficiais – lado a lado com as da antiga geração, inclusive nos mesmos ângulos.


Apostando para poder Andar na Frente

março 1, 2007
A atual terceira colocada no mercado em 2007, segundo dados da Fenabrave, deve investir muito no nosso país nos próximos anos. A idéia da marca da “gravatinha” dourada é entrar em novos nichos de relativo sucesso no país e modernizar outros veículos da gama, e ampliar a opção de motores nos modelos da empresa, entre outras novidades.

Novo Astra – O líder de seu segmento no país deverá receber modificações neste ano. Será muito parecido com o modelo já vendido na Europa desde 2004. A frente terá alguma semelhança com a do Vectra, mas a grande aposta é que conte com linhas mais esportivas, como a versão européia, já que o público dos dois modelos é distinto. O interior deve ser o mesmo do sedan médio. Cogita-se a versão GSi com motor 2.4 – o mesmo utilizado no Vectra. Na Argentina, por exemplo, o atual Astra GSi conta com opção 2.4 16v. Com a chegada da nova linha, o Astra Sedan deverá ter seu nome alterado para Astra Classic. Os hatches sofisticados serão substituídos pelos novos, mas não é certo que acontecerá o mesmo com os mais simples, hoje chamados “Advantage”.

Novo Corsa – Há mais de cinco anos sem alterações, ao atual geração do Corsa, desde que foi lançado nunca empolgou o público como seu antecessor, não deslanchando nas vendas. Mesmo que seguisse o mesmo acabamento de boa qualidade que o modelo europeu. O problema dele é que o motor 1.0 tinha pouco torque para o considerável ganho de peso na nova geração, gerando, inicialmente muitas críticas em relação a seu desempenho. Com isso a GM efetuou diversas melhorias nesta versão, que privilegiaram o desempenho e consumo. Mas ainda é clara a vocação urbana do modelo. Já a opção 1.8 custa muito mais, deixando uma lacuna dentro da linha para os consumidores que desejam a modernidade do Corsa, aliada a um desempenho superior ao 1.0 mas que não desejam o 1.8. Mas, em 2008 (provavelmente como linha 2009), ele deverá receber retoques na mesma carroceria, longe da moderna plataforma do recém-lançado irmão do velho continente. Entre as novidades deste face-lift, está a grande possibilidade do motor 1.4 já estar figurando na linha. Enquanto isso, o Corsa continua atrás de Palio, Fox e Fiesta nas vendas.

Nova S10 – A filial brasileira da Chevrolet foi designada para desenvolver as novas picapes da marca para o grupo GM. A S10 renovada deverá ter inspiração na Isuzu D-Max, de origem tailandesa e que foi fotografada na cidade de Bombinhas (SC), com placas do Paraguai. As fotos, porém, não estão disponiveis no momento. A Chevrolet se prepara para a concorrência forte da exuberante Hilux e das novas Frontier e L200 (Triton – ainda não confirmada). A novidade da linha 2007 foi o motor 2.4 Flexpower. Já o futuro da Blazer, derivada da S10, é incerto. Não se sabe se terá um sucessor inspirado no MU-7 que deriva da D-Max. Muito foi dito sobre uma “tropicalização” dos Chevrolet Equinox e Captiva e do Opel Antara, mas até agora nada está confirmado. A dúvida da filial está entre o utilitário tailandês e o modelo da divisão alemã.

Nova Zafira – Depois de ficar em dúvidas entre a produção de uma Vectra Caravan ou da renovação da Zafira, a Chevrolet parece ter finalmente optado pela segunda alternativa. Como já tinha a carroceria praticamente pronta, visto que a mudança para a Zafira II não é tão radical, tornou-se mais viável produzi-la. E seguirá as linhas do Astra renovado, como na Europa. A Chevrolet também descartou a produção conjunta da minivan e perua por acreditar que não há mercado para os dois modelos no país, como a Renault também constatou.

Spark – Ray Young, presidente da Chevrolet do Brasil, comentou, no Salão de Detroit (EUA), que há grande possibilidade de o Spark ser importado para o mercado nacional. A GM aproveitou a plataforma e vários componentes do Matiz, o projeto original da Daewoo, que foi comprada pela General Motors. É um minicarro do tamanho de um Picanto, menor que um Ka, que é produzido na China através de uma joint-venture da GM com a Wuling. Não seria difícil deixa-lo no nível dos modelos produzidos aqui, pois o acabamento conta com bancos de Celta e plásticos granulados como os utilizados em Corsa, Meriva e Vectra. Seu porta-malas comporta 200l e conta com tanque de 35l . O motor é 1.0 de 65cv. Resta saber se este será trocado pelo 1.0 VHC Flexpower, o que acarretaria em menor autonomia do veículo, por seu motor no mercado chinês ser mais econômico e fazer médias de 18km/l. Vamos aguardar para ver se a Chevrolet vai se adiantar ou vai esperar o ataque da Chery com o QQ.

Prisma Y – O conceito, mostrado no Salão do Automóvel de São Paulo, é, como muitos já suspeitavam, praticamente o modelo de série. O Prisma Y, ou Viva (o nome ainda não foi definido), é um derivado “off-road” – leia-se, apenas com visual diferenciado – do antigo Corsa. Atuará no segmento do Ecosport, devendo contar com os motores 1.4 e 1.8 para isso. O desenvolvimento do modelo e sua linha de produção está avançadíssimo, e chegará às ruas do Brasil em 2008. São aguardadas as linhas do conceito, com a grade dianteira é inspirada nos novos modelos norte-americanos como Avalanche e Malibu, no modelo de série..

Novidades mecânicas – Haverá algumas mudanças mecâncias na linha. O Astra renovado deverá será lançado junto com um possível motor 2.0 “Econo.flex”, uma evolução sobre o atual flexpower, só que mais potente. Cogita-se também trocar o motor 2.4 do Vectra pelo “novo” 2.4 da S10. Já o 1.4 flex deverá equipar, em breve, a linha Corsa, assim como o Celta.

Texto: Matheus Q. Pera
Fotos: Divulgação
Fontes: Chevrolet (China).

The (quase) all-new Laika.

março 1, 2007
Nunca o Uno, o Bandeirante e o motor AP pareceram tão modernos. Só olhar a beldade na foto e comprovar. É, você se lembra, é ele mesmo. Esse é o Laika, aquele Lada vendido no Brasil no começo da década de 90, com motor 1.5 ou 1.6 e preço de Mille basicão. As fotos-espias (tá, sem preconceito, não é só Lamborghini e Audi que merecem fotos-espias aqui) mostram a reestilização do modelo para a linha 2008 na Rússia, onde ele se chama 2107 (versão “luxuosa” – a 2105, mais simplória, continua com o mesmo design). Sim, ele ainda é fabricado e vendido na Rússia!

.

A carroceria original, projeto da Fiat de 1965, recebeu inéditos faróis de lentes transparentes, pára-choque de polipropileno integrado (é esse tipo de plástico preto que apareceu aqui no Uno em 84) e faróis de neblina. Tudo da mais pura modernidade russa. A traseira mostra linhas ainda mais modernas, com as arredondadas lanternas de lentes totalmente transparentes e a reestilização da plaquetinha do nome do modelo. A lateral traz novos frisos (novos não, eles não existiam, seriam só “frisos”), rodas de liga-leve aro 13″ e espelhos retrovisores maiores, da mesma cor do… pára-choque, preto. Claaaro que propositalmente, para dar contraste com a nova e berrante cor azul-calcinha.
O motor 1.5 evoluiu. Agora ele tem catalisador e desenvolve 70 cavalos, capaz de fazer o carrinho sair da imobilidade e chegar a 100km/h em emocionantes 17 segundos, além de chegar a mais emocionante ainda (ou seria aterrorizante?) marca de 147km/h de velocidade máxima, dada à maravilhosa aerodinâmica proporcionada pelas suas formas. Injeção eletrônica é um termo que este russo ainda não sabe o que significa.
.
Sinceramente, é bom a gente se ligar as vezes em mercados mais pobres e atrasados, pra ver que ter Gol G4 não é a pior coisa do mundo. Afinal, garanto que agora o Volkswagen está lhe parecendo bem mais moderno e tecnológico, não é, leitor?
.
Por Adriano Vieira
Fotos: Autoblog